NOTÍCIAS
< Voltar
07/12 - Equipamentos

Bastão para selfie ganha versão popular para celular e vira febre

Monopod, cabo antes exclusivo daqueles que têm a câmera GoPro, foi adaptado para os celulares e ganhou o apelido carinhoso de 'GoPobre'
Bastão para selfie ganha versão popular para celular e vira febre

Rio - Foi-se o tempo em que, para tirar uma selfie com o celular, todo mundo espremia os rostos juntinhos. Se tivesse paisagem então, o contorcionismo precisava ser ainda maior para pegar a vista. Precisava. Um aparelhinho chamado monopod veio resolver esse problema. Antes, o cabo era exclusividade daqueles que têm a câmera GoPro (aquela pequenininha que pode ser usada em qualquer lugar e que pode chegar a custar até R$ 3 mil), mas logo foi adaptado para os celulares, e ganhou o apelido carinhoso de ‘GoPobre’. Agora, em praias, shoppings, aeroportos e praças já se tornou comum ver os cabos, ou bastões, estendidos: tudo na busca pelo ângulo perfeito para aquela foto.

Os bastões portáteis cabem dentro da bolsa ou do bolso. Na hora de usar, o procedimento é simples: eles são acionados por controle remoto, que se conectam às câmeras dos celulares pelo bluetooth do aparelho. Aí, depois de enquadrar, ajeitar o cabelo, acertar o sorriso e ficar na pose, basta disparar o botão e a foto está pronta. “Meu tio trouxe um do Catar para mim há uns meses. Ele fica no meu carro e, por ser pequeno, dá para levar para todo canto. É ótimo para fazer trilha, andar de bicicleta, ir ao jogo de futebol. Teve até uma situação engraçada. Eu estava no show da banda Onzee20 e usei perto do palco, o vocalista pegou o bastão e deu uma volta com ele, filmando a plateia”, diverte-se o publicitário Robert Mistura, de 22 anos, para quem o item já se tornou indispensável.

E ele garante que não se intimida com os olhares curiosos ou com quem diz que é cafona. “Há uns meses, saí com a minha prima para jantar e usei. Ela me zoou, falou que parecia uma vassoura. Duas semanas depois, comprou um. Disse que era para ficar independente na hora de filmar e tirar fotos”, brinca ele.

E se engana quem acha que só aqueles que não têm a câmera ‘prima rica’ se rendem ao aparato. A blogueira Anna Beatriz, do site pelorio.com.br, possui a GoPro, mas prefere usar o bastão no celular mesmo. “Eu ando pela cidade dando dicas do Rio, de lugares que vejo e por onde passo. Nem sempre ando com a câmera, mas sempre com o celular. Sem falar que tem a vantagem de você poder ver a foto ali na hora, coisa que não dá pra fazer com a GoPro”, explica a moça de 20 anos, que também adotou o acessório como item essencial no dia a dia. “É como ter um ‘personal fotógrafo’. Não preciso pedir para ninguém tirar foto e nem tirar aquela selfie toda torta com o braço aparecendo, é muito melhor”, opina Anna.

Bem na foto 
Há quem diga que o aparelho parece uma varinha. Varinha não é, mas está fazendo mágica para o comércio. Seja em sites que vendem produtos chineses, nos camelôs da cidade ou nas lojas: o bastão é o desejo do momento. “Há uns três meses começamos a vender. O pedido veio dos próprios clientes”, conta Elvis Moraes, de 39 anos, sócio da Loja dos Irmãos, na Saara, especializada em acessórios para celulares. “Hoje em dia, é o produto que mais sai. Vende todos. O problema é que, às vezes, a fornecedora fica em falta”, lamenta ele, que vende a unidade a R$ 60 e já comercializou “bem pra lá de mil”. Para atender a demanda daqueles que querem a foto perfeita com o Papai Noel ou estourando o champanhe na virada, a loja pediu um reforço especial no estoque de fim de ano.

Fonte: http://goo.gl/KiW60y